• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • quinta-feira, 20 de julho de 2017

    Cultura: Cine Brasília revitalizado

    *Por Severino Francisco
    Sérgio Moriconi é uma espécie de neto espiritual do crítico Paulo Emílio Salles Gomes. É cineasta, crítico, jornalista, ensaísta e professor; e cada um desses ofícios enriquece e tensiona o outro. Da mesma maneira que os poetas parnasianos declamavam sonetos de cor, ele recita planos ou sequências inteiras de Griffith, de Eisenstein, de Godard, de Visconti, de Abas Kiarostami, de Nelson Pereira dos Santos, de Glauber Rocha ou do cinema mais recente.
    É um legítimo representante da inteligência brasiliana forjada a partir da audácia dos projetos pioneiros da Universidade de Brasília, que criou o primeiro curso de cinema da universidade brasileira, concebido por Paulo Emílio Salles Gomes e Nélson Pereira dos Santos e, em segundo momento, materializado por Vladimir Carvalho.
    Sérgio vive cinema 24 quadros por segundo e tem mais horas em salas de exibição do que beija-flor de voo. Não é um erudito previsível que repete as informações acumuladas. Ele filtra, seleciona, critica, recorta e estabelece conexões originais.
    Com seus cursos livres, ele formou quatro gerações de apaixonados por cinema na cidade. Não tem preconceitos, gosta de se renovar na interação com as novas gerações, aceita discutir a percepção dos adolescentes, por mais aparentemente estapafúrdia que seja.
    Moriconi escreveu um livro essencial para compreender Brasília: Cinema brasiliense: apontamentos para uma história. Na verdade, ele nos revelou que, no princípio, era o cinema em Brasília. Antes mesmo de existir a cidade, cinegrafistas de todo o mundo desembarcaram no Planalto Central para documentar a criação épica da capital modernista em cima do cerrado no meio das nuvens de poeira. Esse era um claro sinal da predestinação da cidade para a produção audiovisual.
    Moriconi é o responsável pela programação do Cine Brasília e, graças a ele, a sala passou por um processo de renascimento. Ele diversificou e modernizou a programação como se fosse a de um shopping. O Cine Brasília exibe quatro ou cinco filmes durante os fins de semana. As crianças têm opção de qualidade garantida e passaram a frequentar a sala.
    Antes da gestão de Moriconi, o Cine Brasília, uma das melhores salas de cinema do país, era mais um elefante branco na paisagem. Ele transformou o elefante branco em um espaço vivo durante todo o ano. É a melhor homenagem que pode ser prestada aos 50 anos do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, a serem comemorados neste 2017.
    Este templo do cinema nacional não pode ser reduzido a mero palco do evento. Moriconi está mostrando como se faz uma ocupação inteligente dos espaços públicos. É muito bom ver os prédios públicos revitalizados por uma programação de qualidade. E isso acontece quando a pessoa certa está no lugar certo.

    Orquestra Sinfônica Claudio Santoro apresenta concerto especial para as crianças no Cine Brasília.
    (*) Severino Francisco - Jornalista, colunista do Correio Braziliense - Fotos: Bento Viana - Luís Nova/CB/D.A.Press -  Ilustração: Blog - Google


    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.