• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

    A Petrobras do DF

    A Petrobras do DF

    Por Circe Cunha

    Com o anúncio, publicado no Diário Oficial do DF, no qual faz uma consulta pública para a cotação de preços, a Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap) revelou que está em busca de um empréstimo urgente de R$ 35 milhões para garantir liquidez financeira e, com isso, cobrir gastos com infraestrutura e ações judiciais pendentes com a construção do bairro Noroeste.

    O que acontece com essa empresa não é novidade e já vem sendo anunciado pela imprensa desde 2014. A crise que se abateu sobre a Terracap, a ponto de quase levá-la à completa falência, decorre dos mesmos fatores que têm vitimado a maioria das empresas públicas país afora: a utilização das estatais para fins políticos, o que pode ser traduzido por ingerência duvidosa de agentes políticos nos negócios das empresas, obrigando-as a financiarem negócios nebulosos que, ao fim ao cabo, rendem lucros bilionários apenas para esses grupos.

    Observado de um ponto vista geral, o que acontece com as finanças da Terracap não é muito diferente do que ocorreu com a Petrobras. Submetida aos caprichos e à falta de ética de muitos políticos, a Agência, que foi a maior financiadora de obras de infraestrutura do DF, passa por uma crise sem precedentes, o que fez com que a arrecadação desabasse de R$ 1,6 bilhão para R$ 360 milhões.

    Deduzidos impostos e taxas, o lucro líquido baixou de R$ 778 milhões para apenas R$ 19 milhões. Para alguns analistas, a persistir o balanço negativo, a empresa chegará ao ponto em que a receita será insuficiente para cobrir os custos fixos e ela poderá ser fechada.

    Desde que se viu obrigada a investir R$ 1,5 bilhão na construção do Estádio Mané Garrincha, a obra mais polêmica e desnecessária de toda a história da capital e que rendeu um prejuízo estimado hoje em R$ 1,36 bilhão, a Terracap nunca mais se equilibrou. Ao contrário, entrou num redemoinho de dificuldades de tal ordem que mesmo as medidas adotadas de afogadilho para sanear seus rendimentos ainda estão longe de trazer de volta os bons anos de bonança.

    Para uma empresa que ainda é a maior proprietária de lotes do Distrito Federal, embora não se conheça até hoje a lista de imóveis sob seu controle, fica até difícil explicar aos possíveis credores, como foi que ela entrou no vermelho. O fato é que, desde a emancipação política da capital, com a instalação de uma custosa, ineficiente e desnecessária máquina administrativa, os políticos locais, em diversas ocasiões, miraram os negócios da Terracap, principalmente quando se descobriu que o loteamento desordenado de terras públicas poderia render bons resultados para os diversos grupos que tinham trânsito livre entre o Palácio do Buriti e a Câmara Legislativa. Transformado em moeda de troca política, dentro da lógica que se estabeleceu de “um lote por um voto”, a Terracap virou joguete nas mãos da elite política local. Deu no que deu.

    ****

    A frase que foi pronunciada
    “Há três coisas que só se faz uma vez: nascer, morrer e votar no PT”.
    (Ex-senador Mão Santa) 


    (*) Circe Cunha – Coluna ¨Visto, lido e ouvido” – Ari Cunha – Correio Braziliense – Foto/Ilustração: Blog - Google

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2018 Todos os direitos reservados.