• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • terça-feira, 1 de setembro de 2015

    Realismo sem maquiagem

    Ministros Joaquim Levy (Fazenda) - Nelson Barbosa (Planejamento) 

    História e literatura recorrem à mesma matéria-prima para apresentar a narrativa. O que as distingue é o modo de olhar. Uma olha com a razão. A outra, com a fantasia. Resultado: a história conta o que os homens foram. A literatura, o que gostariam de ser ou de terem sido. A observação vale para o projeto de Orçamento de 2016 encaminhado ontem ao Congresso.

    Pela primeira vez desde o governo de Fernando Henrique Cardoso, quando o Brasil começou a contabilizar os números em deficit primário e nominal, a proposta aparece com rombo, sem maquiagem ou retoques. O deficit é de R$ 30,5 bilhões — 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB). Em português claro: o Planalto reconhece que não tem recursos para pagar os juros da dívida pública nem para sustentar a máquina de governo. Terá, pois, de aumentar o endividamento do Estado para financiar as despesas de 2016.

    A decisão, tomada no domingo, depois do fracasso de recriar a CPMF, joga o problema no colo do Congresso. Dilma Rousseff espera que a medida surta efeito pedagógico: frear os impulsos de levar avante pautas-bombas que aguardam ocasião de ser submetidas aos parlamentares. Não só. A presidente transfere a deputados e senadores a escolha do remédio capaz de cobrir o buraco das contas nacionais — cortar despesas ou aumentar a receita.

    Trata-se de quadro preocupante. A confissão de fragilidade das finanças acende a luz vermelha na economia. Há o perigo concreto de rebaixamento da nota brasileira e, com ele, a perda do grau de investimento. As agências internacionais de classificação de risco tirarão do país o atestado de bom pagador. Muitos fundos de pensão internacionais, apesar dos juros generosos que aqui imperam, são estatutariamente proibidos de investir em países que podem não honrar pagamentos.

    Ninguém precisa de bola de cristal para vislumbrar o cenário que se esboça. Inflação alta, desemprego crescente, máquina estatal inchada, burocracia emperradora, despesas públicas exorbitantes, gastos de má qualidade aliam-se a governo fraco, sem credibilidade, que se elegeu à custa de mentiras e exerceu o primeiro mandato maquiando os números. A corda, por certo, rebentará do lado mais fraco. Que medidas virão? A realidade dirá. Espera-se que não comprometam o futuro nem se paguem com vida.



    Fonte: Visão do Correio Braziliense

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.