• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • sexta-feira, 29 de abril de 2016

    #História: Joaquim Cardozo - (Sem a colaboração de um poeta do cálculo estrutural, os voos de Niemeyer permaneceriam abandonados no chão).

    Oscar Niemeyer e João Cabral de Melo Neto o consideravam o homem mais culto que conheceram. Joaquim Cardozo, o engenheiro calculista parceiro de Niemeyer nos principais projetos de Brasília, era um personagem singular. Lia em mais de uma dezena de idiomas. Multiplicou-se nas figuras de poeta, contista, dramaturgo, engenheiro, tradutor, topógrafo, dramaturgo, professor universitário, editor, crítico de arte, pianista e chargista.

    A arquitetura de Brasília provocou espanto mundial, não apenas pela beleza de suas curvas barrocas, mas também pela tecnologia das construções, que parecem desafiar a lei da gravidade.

    Quando Niemeyer apresentou pela primeira vez os seus desenhos aos engenheiros convencionais, eles sentenciaram que seria impossível transformar aqueles croquis em edifícios sólidos e seguros. Só poderia encontrar parceria afinada com um poeta do cálculo estrutural. Cada desenho do arquiteto era um desafio que ele tentava resolver como se fosse encontrar a fórmula ideal de um poema: “As estruturas planejadas pelos arquitetos modernos são verdadeiras poesias”, dizia Cardozo: “Trabalhar para que se realizem esses projetos é concretizar uma poesia”.

    Para conseguir solucionar os problemas, Cardozo teve de transgredir as normas vigentes. Na época em que Brasília foi construída, os manuais de engenharia recomendavam o uso de, no máximo, 6% de barras de ferro nas estruturas de concreto. Nas cúpulas do Congresso Nacional, a sustentação se tornou possível por meio do recurso de inserir uma trama de anéis de aço no concreto. No Palácio da Alvorada, ele inseriu 20% de ferro nas colunas. Em vez de concreto armado, usou uma malha interna de aço.

    Cardozo morreu em 1978, aos 81 anos, depois de uma vida de grandes aventuras intelectuais. Ele provocou o avanço da engenharia, desafiando as regras e permitindo a imaginação mais livre, em prédios que não haviam apresentado nenhum problema de segurança. Contudo, em fevereiro de 1971, uma obra desenhada por Niemeyer e calculada por ele, o Pavilhão da Gameleira, em Belo Horizonte, desmoronou e causou a morte de 68 operários.

    O caso parou nos tribunais e ele foi condenado, em primeira instância, a cumprir prisão pelo período de dois anos e dois meses. A defesa coube ao famoso jurista Evandro Lins e Silva, que conseguiu absolvê-lo. Entretanto, Cardozo ficou profundamente abalado e nunca se recuperou do incidente.

    Lembrei de Joaquim Cardozo porque, apesar da relevância para a história de Brasília, não existe nenhuma referência ao nome dele na cidade que ajudou a construir. Enquanto isso, o líder estudantil Honestino Guimarães nomeia o Museu Nacional da República, e em uma das pontes que ligam o Lago Sul ao Plano Piloto. É justíssima a menção ao líder estudantil, mas redundante em dois monumentos da cidade. Em vez disso, seria mais razoável que a memória de Joaquim Cardozo fosse reverenciada em algum ponto importante de Brasília. 
    No poema Salto tripartido, o engenheiro-poeta pernambucano escreveu: “Havia um arco projetado no solo/Para ser recomposto em três curvas aéreas,/Havia um voo abandonado no chão/À espera das asas de um pássaro.” Os versos de Cardozo constituem a melhor argumentação em defesa dos seus méritos na construção da cidade modernista. Sem a colaboração de um poeta do cálculo estrutural, os voos de Niemeyer permaneceriam abandonados no chão.




    Por: Severino Francisco - Correio Braziliense – Foto/Ilustração: Blog - Google 

    Um comentário:

    1. Aqui fica claro como que o desenvolvimento das técnicas construtivas é, antes de mais nada,dependente dos desafios criados pela arquitetura.

      ResponderExcluir

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.