• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • quinta-feira, 24 de novembro de 2016

    Mais de 70% das gestantes do DF fizeram sete ou mais consultas pré-natal em 2016


     

    “Esta é a minha décima consulta. Me sinto preparada para o parto, pois a equipe sempre me atendeu muito bem”, contou Dinara dos Santos, que tem plano de saúde, mas preferiu fazer o pré-natal na Unidade Básica de Saúde nº 8, da Asa Sul. Foto: Andre Borges/Agência Brasília.

     

    Índice superior à média nacional contribui para a redução de mortes de mulheres na hora do parto e de bebês.

     

    Nos próximos dias, o pequeno Talles Miguel virá ao mundo para alegrar a vida de Dinara Rodrigues dos Santos, de 26 anos. Com 37 semanas de gestação, a assistente de farmácia não enfrentou qualquer tipo de complicação. O período tranquilo antes do parto deu-se, principalmente, pela preocupação da jovem mãe em estar sempre em contato com profissionais de saúde. E ela não é exceção. Em 2016, 70,9% das grávidas do Distrito Federal fizeram sete ou mais consultas de pré-natal. O índice é superior à média nacional (65,9%).

     

    “Esta é a minha décima consulta. Me sinto preparada para o parto, pois a equipe sempre me atendeu muito bem”, contou Dinara, que tem plano de saúde, mas preferiu fazer o pré-natal na Unidade Básica de Saúde nº 8, da Asa Sul. “Eu achei o atendimento aqui mais acolhedor, me senti melhor”.

    A cobertura considerada satisfatória na assistência pré-natal tem contribuído para a redução de mortes de bebês após ou durante o parto no DF. Enquanto a taxa de mortalidade infantil em Brasília é de 10,6%, no restante do País é de 13,82%.

    A inclusão do DF na Rede Cegonha, em 2011, foi um marco para elevar a qualidade do atendimento na capital federal. Trata-se de um programa do governo federal que propõe a melhoria na assistência às mulheres durante a gravidez, no parto, no pós-parto, além de recém-nascidos e crianças até 2 anos.

    Até 7 de novembro, a quantidade média de consultas pré-natal na rede pública de saúde do DF era bem superior às quatro consultas recomendadas pela Organização Mundial de Saúde. No entanto, nessa data, a OMS revisou as diretrizes e concluiu que as mulheres devem realizar o dobro de consultas antes de parir. Com isso, a Secretaria de Saúde vai avaliar se os protocolos serão modificados.

     

    A podóloga Eliúde Mirelli Szubris, de 28 anos, descobriu que está gravida de três meses há pouco tempo. Nessa segunda-feira (14), ela fez a primeira consulta pré-natal e se surpreendeu com o atendimento. “A consulta durou quase 40 minutos e a médica fez uma avaliação muito criteriosa. Confesso que foi muito melhor do que eu esperava.”

    Mulheres residentes do Entorno procuram assistência no DF

     

    Em 2015, a Secretaria de Saúde registrou 59,5 mil partos nas unidades de saúde do DF. Desse total, 13,7 mil foram feitos em mulheres residentes de outras unidades da Federação, a grande maioria dos municípios goianos situados no Entorno da capital federal.

     

    Para a técnica do Núcleo de Saúde da Mulher, da Secretaria de Saúde, Viviane Albuquerque, quanto mais a gestante é avaliada por especialistas, menor é o risco para ela e para a criança. “Existem diversos estudos que confirmam que o comparecimento adequado às consultas diminui as chances de óbito ou parto prematuro”, destacou.

    Até a 28ª semana de gravidez, a recomendação é que a mãe faça uma consulta por mês. Da 28º a 36º semana, a cada 15 dias. A partir daí, aconselha-se pelo menos uma consulta por semana até a data do parto. O pré-natal é feito nas unidades básicas de saúde, como os postos. Somente os casos de alto risco são direcionados para os hospitais da rede. Entram nesse grupo mulheres diabéticas, cardiopatas ou que tomam medicamentos controlados, por exemplo.




    Agência Brasília

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.