• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • sábado, 24 de dezembro de 2016

    Nas mãos do Ministério Público e da Polícia Federal

    Quando se fala da Operação Lava-Jato, os números são superlativos e rondam a casa dos bilhões de reais, surpreendendo até mesmo os investigadores do rumoroso caso. E os valores se referem apenas ao que foi surrupiado de uma única estatal, a Petrobras. Em palestra realizada no Colégio Brasileiro de Cirurgiões em Curitiba, no segundo semestre deste ano, o procurador da República Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da operação, ao fazer um breve balanço do que foi levantado até então, comparou os casos de corrupção que têm vindo à tona com um iceberg, no qual a parte mais volumosa desta enorme montanha flutuante ainda não é visível e permanece escondida e desafiadora abaixo do fio d’água.

    Sobre a parte submersa ainda resta uma série de interrogações que só o tempo e as investigações poderão esclarecer. Apenas em relação às propinas pagas, o que se apurou até aqui supera R$ 6,2 bilhões. Segundo dados da própria Organização das Nações Unidas (ONU), anualmente, são desviados do Brasil,  por meio da corrupção, cerca de R$ 200 bilhões. O problema é que, com valores tão formidáveis, os serviços públicos que deveriam ser prestados à população são reduzidos ao mínimo possível.

    Pior do que a quantidade de serviços que deixam de se oferecidos aos brasileiros a cada ano, é a qualidade dos poucos que são prestados. “A corrupção nos afeta de modo pessoal”, disse o procurador, para quem é preciso que a sociedade conheça melhor esse que é hoje nosso maior e mais perigoso inimigo.

    Especialistas são unânimes em afirmar que será preciso, no mínimo, uma década para que os níveis satisfatórios de desenvolvimento voltem à normalidade e o país possa experimentar um crescimento satisfatório. Sem isso, toda uma geração de brasileiros será seriamente afetada. Os estragos provocados pela corrupção sistemática vão muito além de números e cifras. Essa nossa antiga mazela nos afeta muito mais do que as doenças endêmicas e a desnutrição. Seus efeitos são deletérios e perpassam de alto a baixo toda a população, fazendo estragos de tal monta, que são impossíveis de serem quantificados. Em termos da própria organização do Estado, é possível dizer que a corrupção detectada até agora tem minado a credibilidade e mesmo a legitimidade dos Poderes da República. E isso é seriíssimo. As consequências podem ser catastróficas para o próprio país. Apenas com as sequências de delações que estão vindo a público, por gente que ocupou os mais altos cargos na direção do país e pelos empresários das maiores companhias brasileiras, já nos permitem afirmar que fomos e continuamos a ser governados por uma classe de corruptos dos mais variados matizes, alojada nos mais diversos postos de comando da nação, e ainda com capacidade de provocar estragos de grande monta, inclusive, com poder de lançar água fria sobre a fervura das operações do Ministério Público e da Polícia Federal.


    A frase que não foi pronunciada
    “O meu sonho é dormir!”
    (A todos os trabalhadores da madrugada)

    ****

    Enrascada

    R$100 bilhões às teles. Parece que Papai Noel vai ter que pegar o presente de volta. Isso, se depender do senador Roberto Requião. Ele está aassediando cada colega do plenário para divulgar o voto.


    Por Circe Cunha – Coluna “Visto, lido e ouvido” – Ari Cunha – Correio Braziliense – Foto/Ilustração: Blog - Google

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.