Rômulo Neves, ex-BBB Longe das eleições - - Entrevista Ilda Peliz ex presidente da Abrace - Blog do Chiquinho Dornas

NEWS

quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

Rômulo Neves, ex-BBB Longe das eleições - - Entrevista Ilda Peliz ex presidente da Abrace

Longe das eleições 
Para quem não acreditou que o diplomata Rômulo Neves, ex-BBB, desistira de concorrer a um mandato de deputado, a novidade é que ele estará bem longe desta e da próxima eleição. Em março, ele embarca para o Paquistão em missão do Itamaraty e depois deve passar uma temporada na Alemanha. Espera ficar cinco anos fora do Brasil. 

Ana Maria Campos

Entrevista Ilda Peliz - Ex-Presidente da Abrace
"Desejo que Brasília se recupere desses momentos difíceis que vivemos. Brasília tem que parar de ser o para-raios das crises e de ter sua imagem arranhada por pessoas desonestas e corruptas"

"Vou continuar ajudando as famílias"
Após 22 anos, a idealizadora do Hospital da Criança deixa a Presidência da Associação Brasileira de Assistência às Famílias de Crianças Portadoras de Câncer e Hemopatias (Abrace) para se dedicar à família. Mesmo assim, seguirá como voluntária

Caridade é amar ao próximo é fazer-lhe todo o bem possível que desejaríamos que nos fosse feito. O sentimento norteou a trajetória de Ilda Ribeiro Peliz, 67 anos. Ela sofreu a morte de uma filha com câncer no sistema nervoso, idealizou um hospital especializado em crianças, dedicou-se por 22 anos ao trabalho voluntário na Associação Brasileira de Assistência às Famílias de Crianças Portadoras de Câncer e Hemopatias (Abrace) e mostrou que é possível transformar a dor em justiça social.

Em agosto de 1994, Ilda recebeu o diagnóstico que mudaria a sua história. A filha Rebeca, 6 meses, estava com câncer. A partir desse momento, Ilda passou a frequentar o Hospital de Base do DF e a conviver com dramas infantis que deixaram marcas indeléveis. A menina morreu em outubro de 1995. Na mesma data, nasceu um sonho que revolucionou a medicina infantil na capital federal.

Ilda transformou o luto em luta.  Idealizou o Hospital da Criança e o tornou realidade com doações que superaram R$ 30 milhões. Desde a inauguração, em 2011, houve 2,6 milhões de atendimentos. Agora, ela deixa a Presidência da instituição que se tornou referência internacional. “A Abrace teve uma mãe, os meus filhos, não. Trabalhei 22 anos dia e noite, de segunda a domingo. Hoje, preciso descansar”, conta em entrevista ao Correio. Ela deixa a Abrace com as obras do segundo bloco do Hospital da Criança concluídas e com previsão de inauguração para abril.

Os últimos meses de gestão foram marcados por duas premiações: em agosto do ano passado, a Abrace foi eleita pela revista Época e pelo Instituo Dor uma das 100 melhores ONGs do país no quesito Gestão e transparência — 1,5 mil instituições concorriam ao título. No último mês, Ilda esteve na sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em Genebra, para receber um prêmio pelo “reconhecimento do esforço individual de pessoas que contribuíram para a transformação social de famílias no mundo inteiro”. Ilda foi escolhida pela concretização de ações em prol da saúde de crianças e adolescentes.

Ilda descarta qualquer pretensão política. Ocupará o tempo convivendo com os dois filhos adultos e mimando o neto — o xodó da família. Apesar de ser um momento difícil, ela acredita que o trabalho da Abrace não mudará. Maria Angela Marini, uma das fundadoras da instituição, assume o cargo interinamente até a eleição da nova diretoria. A escolha ocorre ainda neste mês. Confira os principais trechos da entrevista.
O que motivou a senhora a deixar a Presidência da Abrace?
Ao longo do tempo, eu tenho defendido que outra pessoa assuma. Penso que uma ONG não teve ter um gestor ad eternum. Na Abrace, todos são diretores voluntários, e a mudança da gestão faz bem à saúde da instituição. A Abrace é como um filho, mas, desde 2011, eu penso em sair e reconduzir a gestão. No início do ano passado, eu avisei que não queria ser reeleita. Foi uma decisão muito pensada.

Este é um ano de eleições. A sua saída tem ligação com pretensões políticas?
Sempre que tem eleições os partidos me convidam. Dia desses descobri que era filiada a dois partidos sem nunca ter me filiado. Agora, concorrer a cargo eletivo não faz parte dos meus planos. Não vou concorrer a nada.

Qual é o impacto da sua saída? 
É ruim para as pessoas que se abalam, mas esse momento passa. Questionam o que houve, ficam curiosas para saber se houve algum problema. Isso é normal. O importante é que tudo continuará funcionando normalmente.

Qual é o momento mais marcante nesses 22 anos?
Quando entrei na Abrace, o índice de abandono dos tratamentos estava crítico. Cerca de 28% das crianças paravam de se tratar por não terem onde ficar, o que comer ou como se locomover pela cidade. Elas não tinham como ficar em Brasília. Isso não acontece mais. O índice de abandono é zero. Conseguimos ajudar com alimentação, remédio, exames e transporte. Isso me emociona demais.

A senhora lidou com vários governadores do DF. Foi difícil?
O difícil foi a interinidade que tivemos em 2010. As trocas no primeiro escalão dificultaram processos da instituição. Negociar não era difícil por ser muito claro para todos que a Abrace é uma parceira.

Deixar o cargo com a segunda ala do Hospital da Criança pronta oferece mais tranquilidade? 
Saio realizada por deixar a obra pronta. O dia em que eu souber que o Bloco 2 está pronto acabou minha missão, e esse dia chegou.

O último dia de trabalho foi difícil?
Viajei para receber o prêmio e cheguei na véspera de Natal. Troquei de mala e fui encontrar a minha família em Minas Gerais. Fiquei cuidando da Abrace a distância. Tinham pedido que eu ficasse na Presidência até 15 de janeiro para fazer a despedida e a nova eleição. Mas, com o término do mandato em 31 de dezembro, eu não conseguiria fazer mais nada.

A senhora se desligará totalmente da Abrace e do Hospital da Criança? 
Vou contribuir mais ainda como voluntária. Para ajudar, não precisa de ter cargo. Vou continuar ajudando as famílias, visitando as crianças, acompanhando as histórias. Eu fiquei 22 anos na parte estratégica, agora posso fazer outras coisas. Mas se me chamarem para uma palestra eu vou, para interferir numa ação do governo eu vou, para uma roda de conversa…

Haverá uma mudança radical na rotina...
Trabalhei 22 anos dia e noite, de segunda a domingo. Não ia a festas, ao cinema, a aniversários. Foi uma vida de dedicação. Os meus filhos eu não vi crescer. Crio um neto até com um certo peso na consciência. Os meus filhos diziam que a Abrace tinha mãe, e eles não. Na adolescência, sobretudo, eles não entendiam. Hoje, eu posso me entregar mais à família e aos amigos.

Tem algo que deseja fazer?
Quero descansar, sair caminhando pelo Eixão sem ter compromisso, sem me preocupar com horários (risos).

A senhora perdeu uma filha de 2 anos, em 1995, para um tumor no sistema nervoso. Isso a motivou a se dedicar à assistência social?
Quando a minha filha morreu, fiz um compromisso comigo mesma de que viabilizaria um hospital para criança e adolescente. Vi como era o tratamento de criança no Hospital de Base. O foco era sempre o adulto, e as crianças sempre voltavam para o fim da fila. A minha filha chegou a ficar sem comer das 18h de um dia às 20h do outro para fazer uma cirurgia, porque adultos tomavam o lugar na sala de cirurgia, na UTI. Isso me revoltou. Nesses anos todos a minha meta era essa. Foi a razão da minha vida proporcionar um tratamento humanizado e digno.

Enfrentar um câncer em 2006 foi difícil?
Quem lida com o câncer, lida com a morte todo dia. Isso nunca é fácil. De cada 100 crianças, 30 vão a óbito. Imagina, eu lido com o câncer todo dia. Quando recebi o diagnóstico, pensei: “Por que eu?” O tratamento foi tranquilo, tive sucesso. O pós é mais delicado. Você será para sempre um ex-paciente de câncer. Faço todos anos um acompanhamento rígido. Sei que não posso parar de me cuidar.

O ano está começando. O que a senhora deseja para Brasília em 2018?
Eu amo essa cidade. Desejo que Brasília se recupere desses momentos difíceis que vivemos. Brasília tem que parar de ser o para-raios das crises e de ter sua imagem arranhada por pessoas desonestas e corruptas. Temos de apagar essa imagem negativa. Tenho certeza de que a nossa situação econômica vai melhorar, vamos gerar empregos… Muita coisa não caminhou por falta de dinheiro nos últimos anos. Quero ver mais pessoas felizes, sem gente passando fome, com crianças na escola e sem crise na saúde. Precisamos dar as mãos para fazer isso. O papel da sociedade é ajudar e não só esperar o governo fazer.

Qual é a mensagem que a senhora deixa para pacientes e colaboradores da Abrace?
Eu agradeço o apoio incondicional das pessoas. Tudo que fizemos e pedimos, a sociedade sempre apoiou. O agradecimento é para aqueles que colaboraram. Ninguém faz nada só. O amor das pessoas é corresponsável pelo sucesso. Tenho certeza de que o trabalho da Abrace não mudará. Temos valores que não mudam, independentemente de quem esteja no comando.


(*) Otávio Augusto – Foto Antonio Cunha/CB/D.A.Press – Correio Braziliense

Nenhum comentário:

Postar um comentário