• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • quinta-feira, 21 de julho de 2016

    Quatro perguntas para Ivan Camargo, reitor da #UnB & Investir na UnB é o desafio

    Ivan Camargo, reitor da UnB

    Qual a avaliação dos resultados desses quatro anos de gestão?
    O resultado não é da administração, é da universidade inteira, todos nós contribuímos. Vale lembrar que a nossa universidade estava com um desequilíbrio orçamentário severo em 2012, então nós economizamos dinheiro e melhoramos a qualidade. Esses resultados mostram que você precisa de racionalidade e de cuidado — é a universidade sendo cuidada.

    O que ainda precisa ser feito?
    Uma vez que arrumamos a casa, equilibramos as contas, temos que dar um passo adiante e começar a pensar grande, mesmo com as restrições que estamos vivendo em 2015, em 2016 e, muito provavelmente, vamos viver em 2017. O que nós precisamos agora é investir em infraestrutura, melhorar as condições de trabalho da universidade. Eu sou um cara muito otimista e acho que, mesmo nesta fase de vacas magras, em que tudo indica que haverá redução da receita do governo, nós, da Universidade de Brasília, poderemos usar a receita própria, de aluguéis e do Cespe, para a melhoria da infraestrutura.

    O gasto com pessoal e custeio ainda é muito grande. Será possível investir mais, mesmo assim?
    Nesses quatro anos, fizemos um grande trabalho de organização desses contratos (de terceirização e fim dos servidores precarizados) e, por isso, podemos afirmar que esse gasto que cabe a nós gerenciar está equilibrado. Agora, nós não precisamos fazer o que vinha sendo feito, que é deslocar recursos de investimento para custeio. Com a universidade equilibrada, você pode usar dinheiro de investimento para o uso final dele, e pode usar recursos próprios também com esse objetivo.

    O que falta para a UnB se tornar uma universidade do século 21?
    Acho que duas coisas faltam. Em qualquer universidade fora do país, como na Coreia, as instalações físicas são muito melhores. Essa é uma dívida que temos com a nossa comunidade acadêmica: precisamos melhorar muito as instalações, a infraestrutura. Além disso, temos de melhorar os incentivos para os professores. Eles precisam ser incentivados a interagir com a sociedade, a resolver os problemas da sociedade. Se a gente não corrigir essas duas dívidas que temos, vamos continuar entre as 500 melhores do mundo, mas nós temos potencial para estar, pelo menos, entre as 100.

    ****

    Investir na UnB é o desafio

    Esforço para controlar os gastos e equilibrar as contas marcou a atual gestão da universidade, que chega ao fim em novembro deste ano. Pleito que escolherá o novo gestor terá início na próxima semana
    Jessé mudou-se de Luziânia para a CEU: economia de tempo resultou em mais estudo e qualidade de vida

    Assim como ocorreu em outras federais, o corte de gastos na educação marcou a atual gestão da Universidade de Brasília (UnB), que chega ao fim em novembro. Os dados do relatório de gestão, apresentados neste mês, mostraram o tamanho do desafio: só a folha de pagamento toma conta de mais de 75% do orçamento total da instituição. É consenso entre as diversas representações da instituição que a administração teve o mérito de equilibrar as contas, mas os investimentos ficaram em segundo plano e precisarão receber mais atenção da próxima reitoria, que será escolhida pela comunidade acadêmica no fim de agosto. As chapas começam a se inscrever na próxima semana.

    Uma das principais ações da atual gestão, dirigida pelo reitor Ivan Camargo, foi a regularização da força de trabalho da Fundação Universidade de Brasília (FUB). Em 2012, havia quase 650 trabalhadores sem vínculo formal com a instituição, número zerado no ano passado. O custo aluno sofreu queda de 35% e os investimentos em tecnologia da informação e comunicação também caíram. Segundo o Decanato de Planejamento e Orçamento (DPO), a diminuição é resultado da restrição orçamentária do Ministério da Educação (MEC). “Não é uma equação fácil: expansão, inserção social e a garantia da excelência acadêmica. E temos que conjugar tudo isso com a redução do orçamento”, avalia Mauro Rabelo, decano de Ensino de Graduação.

    Victor Aguiar, coordenador-geral do Diretório Central dos Estudantes (DCE), destaca o fato de a austeridade não ter afetado a qualidade da produção acadêmica. Pelo contrário, a universidade voltou a figurar em melhores posições em rankings internacionais e alcançou a nota máxima no Índice Geral de Cursos (IGC), avaliação feita pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep). “Por causa da crise, as universidades federais foram muito prejudicadas, mas, mesmo assim, conseguimos saltar da 25ª para a 9ª colocação na América Latina, segundo o ranking da QS”, lembra. A companhia britânica Quacquarelli Symonds (QS) monta uma lista com as 300 melhores instituições de ensino superior dos países latino-americanos.

    Para Rabelo, do Decanato de Ensino de Graduação, a melhor colocação da universidade nessas avaliações é fruto do trabalho na orientação dos coordenadores dos cursos sobre o preenchimento correto da plataforma do MEC e a relevância do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade).

    Os dados do balanço também mostram que a UnB ainda precisa avançar para se tornar efetivamente uma instituição do século 21. Quase metade dos prédios ainda não tem acesso à rede de internet sem fio própria da instituição, por exemplo. De acordo com o DOP, esse cenário pode mudar até o fim do ano, quando devem ser concluídam a duplicação e a expansão dos pontos de acesso, que passarão de 520 para 1.020 pontos. Hoje, os departamentos que não contam com esse serviço têm à disposição redes individuais, administradas pelo próprio corpo docente ou técnico.

    Assistência
    O número de alunos atendidos pela assistência estudantil aumentou quase 85% em 2015 com relação a 2012, mas ainda é baixo para o universo de quase 38 mil estudantes. A ampliação do atendimento coincide com o percentual de 50% de cotas para escolas públicas que a universidade atingiu este ano, por determinação da legislação federal. “Nós abrimos as portas da universidade para novos acessos, mas também temos que pensar em políticas de permanência”, afirma Luísa Baumgarten, diretora de Desenvolvimento Social do Decanato de Assuntos Comunitários (DAC).

    A bolsa-auxílio concedida pela UnB a estudantes em situação de vulnerabilidade social é de R$ 465. O auxílio-moradia — para os alunos que alugam imóveis — é de R$ 530. Os que não moram em Brasília têm a opção de concorrer a uma vaga na Casa do Estudante (CEU), que atualmente abriga 350 discentes da instituição, alguns deles de outros países. Eles ocupam os três blocos, entregues reformados no segundo semestre de 2014.

    Um desses alunos é Jessé Lima, 21 anos, do 8º semestre do curso de letras/português. Antes de se mudar para a CEU, em 2015, ele morava em Luziânia (GO) e gastava cerca de duas horas e meia no percurso até a universidade e depois de volta para casa. “O que pesa mesmo é o cansaço extremo e porque, lá para Goiás, você não tem passe estudantil. Eu usava a bolsa permanência, que seria para comprar material e fazer cópias de textos, por exemplo, para pagar a passagem”, relata o jovem.

    Nos últimos quatro anos, Jessé destaca dois fatores importantes para a melhoria das condições de assistência estudantil: o fim da contrapartida trabalhista e a possibilidade de acúmulo de benefícios para quem recebe a bolsa auxílio. Com relação às melhorias para a próxima gestão, ele acredita que será importante construir moradias nos outros câmpus, que conseguiram, na atual, ter seus próprios restaurantes universitários. O último a ser instalado foi o de Planaltina, em 2015.



    Fonte »Mariana Niederauer- Especial para o Correio – Fotos: Gustavo Moreno/CB/D.A.Press – Ana Rayssa/Esp./CB/D.A.Press – Correio Braziliense

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.