• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • quinta-feira, 11 de agosto de 2016

    Que venham os anos - (Palácio do Buriti - "réplica em bronze da loba Capitolina amamentando Rômulo e Remo")

    Ocorre com as cidades o mesmo processo de transformação que atinge os humanos. Ambos experimentam os fenômenos naturais que marcam cada estágio da vida. Assim como as pessoas, as cidades nascem, crescem, envelhecem e morrem. A diferença é que, para a maioria das urbes, o tempo é generoso e lento, dilatando seus dias ao longo de incontáveis gerações. Não deixa de ser simbólica a presença, em frente à sede do governo local, de uma réplica em bronze da loba Capitolina amamentando Rômulo e Remo.

    Presente do governo italiano à nova capital do Brasil, a figura mítica faz alegoria à fundação da cidade eterna de Roma em 753 a.C . Para alguns brasilienses, a loba romana representa, na verdade, o lobo-guará, o maior canídeo da América e que, por coincidência, é o animal símbolo da capital.

    Elegemos um animal selvagem como símbolo da cidade e, por algum contrassenso, cuidamos para que ele figure na lista de espécies ameaçadas de extinção. Especialistas consideram que, no máximo em 100 anos, não haverá mais nenhum exemplar desse lobo correndo livre pelos campos do cerrado. O que fazemos com as espécies à nossa volta, reproduzimos com a própria cidade que nos abriga.

    Para os padrões de tempo de uma cidade, Brasília poderia ser classificada como uma criança, embora já apresente problemas típicos de uma metrópole da terceira idade. O que fazer para não extinguir também a ideia original que possibilitou a Brasília ser reconhecida pelo mundo como patrimônio cultural da humanidade?

    Trata-se de um problema que teremos que solucionar ao longo dos anos, a cada novo governo, a cada novo Pdot. Que venham os anos e, com eles, a sabedoria para reconhecer que o que temos agora é tão valioso quanto a própria Roma, cidade eterna.

    ***
    A frase que foi pronunciada
    “Não devemos permitir que alguém saia da nossa presença sem se sentir melhor e mais feliz.”
    (Madre Teresa de Calcutá)


    Por: Circe Cunha – Coluna “Visto, lido e ouvido” – Ari Cunha – Correio Braziliense – Foto/Ilustração: Blog - Google

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.