• INÍCIO
  • CONTATO
  • MÍDIA KIT
  • ANUNCIE NO BLOG
  • COMENTÁRIOS
  • MAPA DO BLOG
  • segunda-feira, 24 de agosto de 2015

    #ECONOMIA » O mapa das oportunidades ´( E aí, pode ser o que procura, leia no interior do Blog)

    Hélcio Augusto Cavalhero e Maiara Viegas aproveitaram a onda dos alimentos funcionais e dos food trucks

    Estudo do Sebrae lista as opções de negócio mais lucrativas e promissoras para enfrentar a crise. Empresas relacionadas a comércio eletrônico, produtos sustentáveis e serviços que facilitem o cotidiano do consumidor estão entre as principais tendências de mercado

    Se o assunto do momento é a crise, há quem veja nas incertezas econômicas oportunidades de negócio. Enquanto a taxa de desemprego cresce, não ficar parado e criar a própria vaga de trabalho pode ser o caminho para atravessar a maré de pessimismo. De olho nesse público que aposta no empreendedorismo como opção de carreira, o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) no Distrito Federal fez um mapeamento com as principais tendências por segmento. O estudo, obtido com exclusividade pelo Correio Braziliense, será divulgado esta semana durante a Feira do Empreendedor e traz mais de 50 opções de negócios.


    O Correio selecionou 10 oportunidades de até R$ 50 mil em investimento e mais seis relacionadas a diferentes campos de atuação, que vão desde o setor de serviços, passando pela indústria e pelo agronegócio (veja arte). O que a pesquisa do Sebrae mostra é que as empresas relacionadas a comércio eletrônico, produtos sustentáveis e serviços que facilitem o dia a dia do consumidor são as principais tendências de mercado. “A crise precisa ser analisada pelo empreendedor, não é todo segmento que está em crise. Nesses períodos incertos, o dinheiro muda de mão. As oportunidades que o estudo mostrou são as latentes e que a crise não abateu”, explica Antônio Valdir de Oliveira, superintendente do Sebrae no DF.

    A alta renda per capita do brasiliense, a porcentagem significativa de funcionários públicos na composição de trabalhadores e a grande capacidade de endividamento amortizam o impacto da crise no DF em comparação a outras unidades da Federação. Nichos de mercado como o relacionado à vida saudável continuam em alta. Isso porque as famílias brasilienses não cortaram radicalmente do orçamento os gastos que proporcionam qualidade de vida.

    Interessados nesse público, o casal Hélcio Augusto Cavalhero, 37 anos, e Maiara Viegas Heusi, 31, inovou com a abertura da Fresh Food há quatro meses. A empresa é um food truck baseado em alimentação saudável e funcional. “As oportunidades estão aí a todo momento, basta ter olhos para ver”, acredita Hélcio. Maiara conta que teve a ideia de abrir o negócio após perceber que a mãe dela, alérgica a glúten e a lactose, não encontrava lugar para comer.

    O casal resolveu juntar a tendência de comida saudável ao aumento dos food trucks em Brasília. “O food truck passou de moda para tendência, de tendência para realidade, ainda mais em tempos de crise, em que todo mundo procura opções mais baratas”, justifica Hélcio. De acordo com os empresários, o que está travando o negócio é a indefinição legal sobre os food trucks.

    Serviços e produtos que investem na comodidade e na praticidade do cliente também estão em alta. Por exemplo, a modalidade beleza em domicílio tem um investimento inicial de R$ 31 mil, com promessa de faturamento anual de R$ 54,4 mil. O delivery de frutas também é uma opção para quem tem pouco dinheiro inicial. Com investimento de R$ 18,2 mil e retorno em menos de um ano, torna-se um negócio atrativo.

    O casal Kely Cristina Ferreira, 42 anos, e André Walace Damasceno, 33, estão no ramo de delivery de frutas há dois anos. Com a empresa Frugt, os dois foram os pioneiros na atividade em Brasília. Eles vendem pacotes mensais e entregam, diariamente, no trabalho ou na casa do cliente, o kit com as frutas higienizadas e cortadas. Atualmente, empregam mais três pessoas e saíram da condição de microempreendedor individual para microempresa. A expectativa de Kely é transformar o negócio em franquia. “É claro que nós sentimos a crise, mas o que percebemos é que o setor de delivery e de comida saudável não tem como parar. Tem altos e baixos, mas com tendência de crescimento”, analisa Kely.

    As atividades voltadas aos cuidados pessoais, como personal trainner, cuidadoras e babás, estão em alta, assim como as empresas que capacitam esses profissionais. Uma empresa de recrutamento e treinamento de babás tem um investimento mais alto (R$ 192, 4 mil), mas o faturamento anual é cinco vezes o inicial e com retorno rápido — de 16 a 18 meses. “O empreendedor tem que saber que estamos apresentando tendências. Se ele optar pelo negócio, tem que ver se tem vocação, entender o mercado e fazer um bom plano de negócios”, afirma Antônio Valdir, do Sebrae.

    Programe-se
    A 23ª edição da Feira do Empreendedor ocorre de 26 a 30 de agosto, das 10h às 20h, no Taguaparque. A expectativa é de que 12 mil visitantes passem pelo evento, que oferecerá 163 atividades, sendo 11 palestras, cinco rodadas de negócios, um seminário de crédito e 146 capacitações.


    Setores modernos

    Para a especialista em empreendedorismo e inovação da Universidade de Brasília (UnB) Cristina Castro-Lucas, as opções de negócio do estudo do Sebrae chamam atenção para a atualidade, com negócios que, em um passado recente, não eram pensados pelos investidores. Como exemplo, ela cita o comércio de produtos antialérgicos, a venda de alimentos saudáveis e o serviço de personal trainner direcionado para a terceira idade. “As pessoas estão em busca de clientes específicos. Para isso, é preciso conhecer o consumidor.” Cristina diz que essa é uma característica  do mercado, uma vez que os setores de comércio, serviço e indústria estão se diversificando para manter os clientes, cada dia mais exigentes.

    Para Cristina, o fato de o país viver uma crise econômica não é um empecilho para empreender. Ela é da corrente que acredita ser nos momentos de dificuldades que surgem boas oportunidades de negócio. “Paralelamente à abertura do negócio, é importante ser um eterno empreendedor, buscando conhecimentos e diferenciais competitivos. Caso não ocorra isso, o investidor pode acabar engolido pelo sistema.”

    O coordenador acadêmico de Empreendedorismo e Desenvolvimento de Novos Negócios da Fundação Getulio Vargas, Marcus Quintella, tem uma postura mais reticente em relação à abertura de novos negócios em período de crise. “Faltam dinheiro no mercado e oportunidades de financiamento. É preciso avaliar com muito cuidado a abertura de uma empresa para evitar uma falência precoce.” Quintela reforça que é necessário investir em pesquisas sobre o consumidor, a concorrência e a tecnologia a ser explorada. “Num momento de crise, as pessoas não estão preparadas para consumir tudo o que lhes é oferecido. Elas optam por cortar do orçamento os itens considerados supérfluos.”

    O especialista considera que as oportunidades listadas são facilmente replicáveis no mercado. “A concorrência pode surgir facilmente, mas tudo é passível de uma boa gestão de negócio bem estruturado”, aconselha Quintela.

    Por: Flávia Maia – Thiago Soares – Correio Braziliense – (Foto: Ed Alves/CB/D.A. Press)

    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    imagem-logo
    © Blog do CHIQUINHO DORNAS 2012/2016 Todos os direitos reservados.